Contacto Triumph Tiger Sport 660 – Um triplo com sede de poder

By on 18 Dezembro, 2021

A marca de Hinckley continua a surpreender-nos com a sua criteriosa aposta em destronar os líderes de cada segmento. Desta feita, as Touring de média cilindrada, com a sua desportividade latente e polivalência urbana e turística, recebem uma nova ameaça sob o nome de Tiger Sport 660. Fomos à sua apresentação internacional, que teve como palco uma das estradas onde já fomos muito felizes…

Por Pedro Alpiarça

O dia começou cinzento e ventoso, e muito embora os guias ingleses comessem gelados como se fosse verão, nós confiávamos na maior percentagem de sílica dos Michelin Road 5 (120/70 ZR17 no eixo dianteiro e 180/55 ZR17 no eixo traseiro) para nos darem confiança no asfalto frio. Até porque à nossa frente seguia um ex piloto de road racing, que encontrou nas estradas da serra do caldeirão um carrossel que lhe trouxe boas memórias. Esta foi a realidade do nosso contacto, uma pequena Tiger com apetências turísticas e utilitárias, uma das melhores zonas de curvas do nosso país, e um morder de língua a tentar seguir os impulsos intempestivos de um Joey Dunlop…

Nascida da bem sucedida Trident, com a qual partilha o motor, o quadro e a electrónica, a Tiger Sport 660 brindava-nos com uma ergonomia bem pensada, um guiador mais alto e próximo do condutor, um assento ligeiramente mais largo e um ecrã facilmente ajustável, e a efectividade do seu conforto não nos deixou dúvidas quanto à sua capacidade turística. Nem o afinador remoto de pré-carga da suspensão traseira e as pegas para o passageiro foram deixadas ao acaso.

 A altura do assento (835mm), a manobrabilidade (peso de 206 Kg) a baixas velocidades e a embraiagem assistida ajudam a enaltecer a facilidade de condução, bastam uns metros para estarmos à vontade com a máquina. Agradecemos os opcionais punhos aquecidos e tivemos pena do quick-shift não ser de série…até porque este motor merece!

O triclindrico de 660 cc (81 cv @ 10,250 rpm; 64 Nm @ 6,250 rpm) permanece bastante dócil nas baixas e médias rotações e notámos uma melhoria notável no feeling do acelerador electrónico, a linearidade da resposta coloca-nos sempre em perfeito controlo. A tal facto não é indiferente a entrega de binário praticamente constante ao longo de todo intervalo utilizável de rotações. Disponibilidade é a palavra que se aplica…mesmo quando queremos ir procurar os 80 cv, o tricilindrico entrega-os com atitude e rugido a condizer. E acreditem que ecoou pelo Caldeirão…

As suspensões são novas (forquilha Showa invertida de Ø41mm com 150mm de curso; Monoamortecedor traseiro Showa com 150mm de curso com afinação remota da pré-carga), com a forquilha a apresentar um curso ligeiramente superior ao da Trident, e a sua afinação tem um pendor mais confortável que desportivo.

Isto significa que a Tiger Sport 660 tem um pisar confiante, sem se tornar demasiado rija nem demasiado vaga. A não ser que…tentemos seguir um ex piloto do Tourist Trophy. A agilidade do conjunto: a rigidez do quadro, a boa potência e tacto da travagem (Duplo disco de Ø310mm com pinça dupla deslizante Nissin; Disco de Ø255mm com pinça deslizante) fez-nos puxar pelo envelope dinâmico a níveis que ultrapassam o seu propósito. Foi nas entradas em curva mais quentes que descobrimos os seus limites, mas sem nunca perder o controlo ou deixar de ser previsível.

A Tiger tem no seu equilíbrio ciclístico uma mais valia desportiva potenciada pela sua capacidade motriz. E faz uso da sua electrónica para aumentar a almofada de segurança. São dois os modos de condução (Road e Rain) e o controlo de tracção é desligável. Todo o interface é simples e apresentado pelo TFT colorido que consegue ter a conectividade opcional ao telemóvel, com indicações de navegação e inclusive controlo de Go Pro.

Prepará-la para viajar ou para uma vida urbana, torna-se possível com a Top-case de 47 L (mais de 40 acessórios, desde bagagem, protecção, conforto e tecnologia, disponíveis em catálogo) ou com as malas laterais que têm os apoios integrados, limpando o visual e não perdendo a linha estética da moto. Porque desde o escape escondido à silhueta esguia e perfilada da iluminação full LED, a Triumph conseguiu acertar num design fluido e interessante. O mesmo não podemos dizer dos grafismos cinzentos desta versão Korosi Red…absolutamente supérfluos.

O segmento de mercado que a Triumph quer atacar é dos mais dinâmicos e difíceis de perceber a nível de utilizadores, tendo em conta a sua dimensão e diversidade. Desde o recém encartado (Disponível versão A2), que procura uma moto com estilo mas compreensiva quanto aos seus limitados dotes de condução, ao motociclista que já teve tudo, já vestiu fatos de cabedal e andou a 300, e neste momento não lhe chega a scooter citadina para os passeios de fim de semana com os amigos que ainda se acham…muita rápidos.

O alvo a abater é a Yamaha Tracer 7, com um bicilindrico divertido e cheio de binário, e a Kawasaki Versys 650, que se encontra renovada para 2022. O elefante na sala é a Honda NC 750 X, uma best-seller no nosso mercado, mas que a nível dinâmico se encontra num patamar bastante inferior…

A Triumph Tiger Sport 660 é uma faz-tudo (Preço desde 9,095 € ; intervalos de manutenção nos 16k kms). Consegue encaixar competências turísticas, sem deixar de ser acessível para uma utilização quotidiana (consumos na ordem dos 5 L/100km em condições de teste). E sim, como resultado da sua vertente desportiva, também consegue ajudar-nos a fingir que estamos na ilha de Man…

Gostámos:

  • Desportividade Acessível
  • Ergonomia e Conforto
  • Personalidade do Tricilindrico

A Melhorar:

  • Quick-shift Opcional
  • Grafismos “desportivos” da versão Korosi Red

 

Ficha Técnica:

Motor

Tipo de MotorRefrigeração líquida, 12 válvulas, DOHC, 3 cilindros em linha, ordem de ignição a 240º
Cilindrada660 cc
Potência81 cv (60 kW) @ 10 250 rpm
Binário64 Nm @ 6 250 rpm
TransmissãoCaixa de 6 velocidades, final por corrente

Ciclística

QuadroQuadro perimétrico em aço tubular
Suspensão Dianteira / TraseiraForquilha invertida Showa de 41 mm, 150 mm de curso / Monoamortecedor Showa com regulação de pré-carga hidráulica remota, 150mm de curso
Travagem Dianteira / TraseiraPinças Nissin de dois pistões com discos duplos de 310 mm, ABS / Pinça Nissin deslizante simples, disco único de 255 mm, ABS
Pneus120/70 ZR 17 ; 180/55 ZR 17

Dimensões e Preço:

Altura do Assento835 mm
Distância entre eixos1.418 mm
Capacidade do depósito17 L
Peso206 Kg
PreçoDesde 9.095€

 

Cores e Acessórios:

 

Concorrentes:

  • Yamaha Tracer 7

Desde 8.795 € ; 73,4 cv ; 196 Kg
  • Kawasaki Versys 650 2022

Preço por definir ; 67 cv ; 217 Kg
  • Honda NC 750 X

Desde 8.300 € ; 59 cv ; 214 Kg

 

Galeria:

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments