Tecnologia – Italdesign cria patente para cinto de segurança

By on 23 Maio, 2021

Colocar o cinto de segurança numa moto não é uma ideia nova – já a BMW a utilizou no lançamento da eclética scooter C1 em 2000 – mas pode salvar vidas em scooters urbanas, tal como a Italdesign agora a idealiza. 

O lendário designer italiano Giorgetto Giugiaro ficou conhecido por nos trazer ao mundo das motos a Ducati 860 GT e a Suzuki RE5. O multifacetado designer, também trabalhou com a Volkswagen, Lotus, Nikon e Seiko. Sem surpresa, a empresa Italdesign de Giugiaro tem sido uma força predominante na indústria automóvel desde 1968, mas a sua patente mais recente concentra-se mais na segurança do que no estilo. 

Foi publicada em 22 de abril de 2021, a patente da Italdesign que desenvolve ainda mais a tecnologia de cinto de segurança inteligente da empresa.

O sistema que é composto por um encosto rígido e arneses múltiplos, protege o motociclista nas costas e nos ombros. No entanto, o envoltório que cobre o condutor não está montado de forma rígida sobre o veículo, tal como Bertone colocou o cinto de segurança na BMW C1 de 2000. Uma junta flexível preserva a amplitude de movimento do condutor quando este se senta na scooter. 

É claro que, em caso de acidente, todos somos frequentemente ensinados a largar a moto, uma vez que a desconexão do veículo pode reduzir a gravidade dos ferimentos, evitando que ela nos quais em cima durante a queda ou colisão. A pensar nessa eventualidade, os engenheiros da Italdesign dotaram o software para detectar quando o aparelho com o cinto de segurança se deve soltar do veículo.

Por exemplo, se o motociclista estiver em risco de colidir com outro veículo, o computador de bordo pode determinar o momento certo para travar, bloqueando travão e evitar a colisão. No entanto, isso não evita que o motociclista tombe com a moto ou scooter, pois os veículos de duas rodas não se equilibram. Por outro lado, num acidente em alta velocidade, o sistema pode ejetar o motociclista para diminuir a probabilidade de lesão.

Sendo certo que isto tudo soa um pouco a James Bond, é na verdade uma ideia nova, que pela sua essência interessa muito mais ao sector das scooters que a qualquer outro – de formato semelhante a uma cadeira de criança para carros – mas que se trouxer mais automobilistas para as duas rodas e evitar acidentes, pode ser uma nova tecnologia bastante interessante. 

A BMW que foi percursora na era moderna da aplicação do cinto de segurança – no lançamento da C1 em 2000, que apesar do seu aspecto bizarro teve grande sucesso 2001 no Reino Unido – tem projetado o renascimento da C1, desta vez elétrica e dotada com airbags, célula de segurança, eros ativa e capota, por forma a ser conduzida como uma normal scooter.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments