Um pioneiro da Husqvarna

By on 13 Janeiro, 2019

Nascido em 1882, o sueco Erik Hyginus Rud acabou por tornar-se famoso por duas coisas – um interesse precoce pela fotografia e como alguém que, depois de ter começado por adaptar um motor a uma bicicleta, comprou a sua primeira verdadeira motocicleta aos 31 anos de idade. Com a sua Husqvarna Moto-Rève Model 65 de duas velocidades, Hyginus andou durante anos pela zona ocidental da Suécia e imortalizava de tudo, de casamentos a aniversários, com a sua câmara.

Erik Hyginus Rud nasceu numa pequena casa de campo nas proximidades de Fredsberg, na parte ocidental da Suécia, no distante ano de 1882, e foi aqui que cresceu em circunstâncias bastante espartanas. Do seu pai, aprendeu o ofício de sapateiro, mas apenas como uma ocupação extra, para lá do trabalho diário que tinha que ser realizado nas imediações da casa. No entanto, com apenas uma vaca e um pedaço de terra pequeno e pedregoso, numa semana média o rendimento não era suficiente para fazer face às despesas, fazendo da pobreza uma parte influente da vida cotidiana desse jovem, o que não combinava com as ambições de Erik Hyginus.

Mesmo na sua juventude, era notório que ele era um jovem dotado, com muitos talentos, como ser um leitor ávido. Consequentemente, as más circunstâncias não impediram Erik H-R de ter um apetite pela vida ou grandes sonhos. Tudo o que estava ligado a questões técnicas para o futuro foi lido e interiorizado por este entusiasta excêntrico. Ele era viciado em invenções que tornassem a vida mais fácil e tinha uma formação técnica.

Com a idade de vinte anos, já Erik era visto a circular com o seu velocípede inicial de roda alta e cinco anos depois ele próprio lhe tinha instalado um motor, tornando este num veículo inovador. Com esse veículo de duas rodas, Erik teve a sua primeira experiência de andar numa bicicleta equipada com um motor “poderoso”.

Em 1913, Erik completou 31 anos e, como até então tinha trabalhado bastante, gastaria o dinheiro poupado comprando a sua primeira motocicleta. Erik estava de olho numa máquina Husqvarna de duas velocidades com um motor da empresa suíça Moto-Rève. Este Modelo 65 vinha da fábrica da Husqvarna no centro da Suécia e foi fabricado entre 1913 e 1915.

Ao todo, cerca de 250-300 unidades – com pedais – foram produzidas durante este período. A motocicleta de Erik tinha um motor em V de 340 cc com desempenho suficiente para ser capaz de atingir 50 a 60 km h. Foi um momento de orgulho quando Erik Hyginus conseguiu adquirir o seu primeiro amor na oficina do revendedor.

Na época, não havia quase trânsito motorizado, nem postos de gasolina por perto, de modo que a gasolina tinha que ser fornecida por barcos em barris e entregue na casa de Hyginus. Certa vez, ele estava sem combustível e teve que encher o tanque com petróleo obtido numa farmácia. Ao resolver o seu problema, este homem versátil foi capaz de voltar para casa para completar o trabalho do dia. Sem travão dianteiro e apenas um mero bloco traseiro, não era fácil parar a máquina a uma velocidade de 50 km/h.

“Era preciso ter cuidado”, recordava ele com um sorriso aos 80 anos. “As condições da estrada naqueles dias não eram como hoje em dia, nos anos 60. Tinha-se que andar com cuidado e considerar todos os perigos, até muitos que agora já não existem há algum tempo.

Erik Hyginus lembrava-se de um incidente quando estava a regressar a casa certo dia: “Cheguei a uma colina íngreme à frente da igreja Halna e tive que acelerar um pouco para fazer a subida. Consequentemente, dei à alavanca do acelerador para aumentar a velocidade do motor. Ao chegar ao topo, dei com um homem a retirar areia de uma vala íngreme. Quando ele me viu vir a toda a velocidade, saiu para o meio da estrada, obstruindo o meu caminho.

“Você tem que me passar com cuidado”, gritou o homem. “Caso contrário, vou torcer-lhe o pescoço e enterrá-lo na minha pedreira aqui.” Podem crer que reduzi e o passei com cuidado!”

Antes da viragem do século XX, Erik tinha os olhos postos num “equipamento fotográfico” numa revista mensal. Inspirado pelas imagens, decidiu fazer o seu próprio aparelho fotográfico, adaptando uma caixa de charutos desgastada para o novo propósito. Com um pedaço de folha-de-flandres paria forrar o interior, Erik conseguiu fazer com que a invenção funcionasse de maneira adequada. De facto, foi bem-sucedido ao ponto de desenvolver a caixa de charutos com mais pesquisa e também a equipou com um obturador elétrico de sua invenção, para o qual conseguiu mesmo uma patente.

Em 1900, porém, Erik conseguiu mesmo comprar a sua primeira câmara “real”, encomendada por correspondência da capital Estocolmo. Por essa altura, o seu conhecimento técnico e  imaginação não tinham limites. No início dos anos 20, Erik fez uma tentativa de construir o seu próprio receptor de rádio, mesmo antes de os suecos começarem a transmitir notícias por rádio. Consequentemente, inicialmente, até que a rádio nacional se estreou e começou a fazer transmissões, Erik só podia ouvir sinais de Morse.

Erik também instalou telefones na comunidade local, para que os vizinhos pudessem conversar uns com os outros. Isso, obviamente, foi muito apreciado, pois as autoridades ainda não tinham lançado a sua empresa de telecomunicações. Mas foi o interesse em fotografia que viria a ocupar a maior parte do tempo de Erik. Na sua Husqvarna de duas velocidades, ele ia a celebrações várias e festas de casamento e ganhava dinheiro extra como fotógrafo.

O Sr. Hyginus deslocava-se de motocicleta com o seu equipamento fotográfico atado à grande bagageira traseira, que pode ser vista na foto. Erik também dedicou tempo a documentar as pessoas nos seus ambientes durante os primeiros anos do século XX. Ele ainda utilizou a sua Husqvarna até 1926, antes de mudar para um carro. Desse modo, ele também podia trabalhar à noite e prolongar as suas horas de atividade.

Erik Hyginus Rud faleceu em 1972, com a idade de 91 anos. Tudo indica que foi um homem verdadeiramente feliz, que fez uma diferença na vida de muita gente, sendo ao mesmo tempo um motociclista da Husqvarna e um fotógrafo pioneiro!

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!