ELÉTRICAS QUE VÊM AÍ

By on 10 Maio, 2019

De um começo tímido há um par de anos, de repente há no mercado um variedade estonteante de motos movidas a eletricidade, e parece que cada dia aparecem mais, pelo menos em projeto. Umas estão em produção intensa, outras ainda no estágio experimental ou a fazer prospeção de mercado, mas a oferta de preços, autonomias e filosofias é já vasta. O último ano foi fértil em novidades, e aqui ficam algumas das mais recentes..

Lightning

Mergulhando de cabeça no mundo das novas tecnologias, o primeiro produto da Lightning é a LS-218. A Lightning SuperBike é considerada a moto elétrica mais rápida do mundo, em parceria com a Race Tech para suspensão, pronta para pista e com uma velocidade máxima de 350 Km/h. As motos já estão em produção, mas a começar nos 35.000 Euros, não são baratas!

Com o ressurgimento do interesse em designs clássicos nos últimos anos, é bom constatar que as motos elétricas estão a começar a responder a essa tendência, em vez de apenas decalcar os estilos tradicionais das modernas desportivas.

Denzel

A Denzel Café Racer também já está em produção, rebatizada como a ECR V1, com um motor elétrico de 7,5 quilowatts, e uma velocidade máxima de 100 Km/h. Este modelo vai custar entre 4.600 e 5.000 Euros, mas julgando pelos comentários, não parece que irá dececionar.

A empresa começou a enviar esta elegante moto para os concessionários locais em Novembro, mas com a questão das tarifas à importação da China nos EUA, não se sabe se há planos para trazer esta nova moto para o Ocidente.

Johammer

Por outro lado, a Johammer adotou uma abordagem interessante para o design da sua motocicleta elétrica. A Johammer J1 essencialmente regressa aos primeiros princípios básicos e redesenhou o chassis em torno das exigências de um sistema elétrico (ao invés de tentar forçá-lo num quadro de motocicleta convencional).

O resultado é algo como uma atualização futurista do estilo Streamline, popular nos anos 1930 – ou um camarão-robô. Detalhes como écrans TFT embutidos no espelho retrovisor ajudam a manter a aparência moderna, e a moto é elegante e atraente, embora a velocidade máxima seja de apenas 120 Km/h.

Com preços a partir de 24.000 Euros e provavelmente uma viagem à Áustria para a recolher, é outro brinquedo para os ricos. No mínimo, é uma moto única.

Por outro lado, é encorajador ver mais marcas de motos progressivamente começarem a investir na oferta de uma opção elétrica, embora muitos ainda estejam na fase de protótipo.

Harley Davidson

A Harley Davidson é, indiscutivelmente, a marca favorita de motos de todos os que sonham com a imagem americana da liberdade e da estrada aberta. O nome “Harley” encapsula tudo o que significa ser motociclista, por isso foi uma jogada ousada anunciarem que iriam produzir uma motocicleta elétrica para adicionar à família de Milwaukee.

O modelo LiveWire foi revelado no início de 2019, usando Realidade Aumentada para exibir a motocicleta elétrica que terá um preço de US $ 30.000 (27.000 Euros). É do tipo “twist-and-go” que a diferencia das suas outras ofertas, o que significa que não há shifters ou embraiagens para contribuir para facilitar a condução – mas há resposta rápida de aceleração e comportamento ágil. Ele pode ir do 0 aos 100 Km/h nums impressionantes 3,5 segundos e atingir velocidades máximas de 200 Km/h, mas alguns já estão a dizer que o “novo som da Harley-Davidson” é simplesmente muito silencioso.

Apesar de ser um VE com atitude, esta “acelera” da Harley-Davidson ainda oferecerá mais de 160 Km de condução urbana ou de estrada com uma única carga das baterias.

A sua capacidade de conectividade celular faz com que seja a primeira motocicleta do mercado de volume no segmento na América do Norte. Com a conectividade de telemática celular, o condutor poderá conectar-se à Harley-Davidson elétrica remotamente através do seu smartphone.

Entre outras, poderá conferir coisas como estado da bateria, ver a localização da moto num mapa e receber alertas de segurança se esta sofrer interferências ou for movida. A LiveWire vem equipada com um conjunto completo de ajudas eletrónicas, com uma variedade de sensores e controles de toque programáveis.

As pré-encomendas estão abertas nos EUA e espera-se que elas comecem a ser despachadas no final de 2019.

Kymco

Um fabricante de motocicletas que decidiu contra esse comportamento tipo “acelera”, é a Kymco. A marca de Taiwan revelou na EICMA de Milão a sua desportiva SuperNEX elétrica, que virá equipada com uma caixa de seis velocidades, ao mesmo tempo que permite mudanças sem embraiagem para uma condução suave. As estatísticas de velocidade também parecem superiores à LiveWire mencionada acima, com uma aceleração de 0 aos 100 em 2.9 segundos.

Não houve nenhum comentário sobre o preço, que ainda está sujeito a ajustes finais, mas as motos estarão disponíveis no Reino Unido brevemente, por isso uma marca a seguir com atenção!

Super SOCO

Outra motocicleta elétrica a ser revelada no Salão de Motos de Milão da EICMA foi a TC Max da Super SOCO – uma marca que certamente esteve ocupada com lançamentos! Diz-se que a Super SOCO TC Max é semelhante ao seu modelo TC existente, mas é mais potente, mais rápida e vai mais longe, tudo com um tempo de carregamento mais curto. Atingindo velocidades de 100 Km/h, em comparação com a velocidade máxima de 45 Km/h das motocicletas elétricas ligeiras, a marca tem os olhos postos em utilizadores mais sérios, já que tecnicamente se poderia levar a TC Max a estradas mais rápidas. A moto está disponível para pré-encomenda em Inglaterra por cerca de 5.000 Euros, com números limitados disponíveis a partir de Abril de 2019.

E as todo-terreno?

O segmento off-road do mercado de motocicletas elétricas é pequeno, mas está, como é frequentemente o caso, perfeitamente formado e definido.

KTM

A KTM Austríaca são os reis deste feudo particular. O seu novo e melhorado modelo para 2018, a KTM Freeride E-XC, oferece 50% mais potência da bateria do que a sua antecessora. Além de aproveitar as melhorias incrementais em tecnologia como todos os outros fazem, a KTM também oferece um novo modelo de compra: pode-se comprar a moto por um preço comparável às motos normais e alugar o carregador e a bateria à KTM por uma taxa mensal.

Isso permitirá que a bateria seja facilmente atualizada, e a marca afirma que custará o mesmo que encher um depósito de gasolina. É claro, não ter que pagar gasolina é parte do apelo de comprar uma moto elétrica e vai ter de se pagar para a carregar de qualquer maneira, mas o modelo pode atrair mais alguns compradores.

Kalashnikov

Finalmente, a motocicleta elétrica da Kalashnikov será, sem dúvida, um favorito de culto nos próximos anos. Inicialmente voltada para a polícia e forças militares, fez a sua primeira aparição pública durante o Mundial de Futebol de 2018. Um ano depois de lançar esta “Adventure” elétrica, a marca revelou duas novas motos elétricas no Fórum Técnico Militar Internacional de 2018 na Rússia.

Embora os detalhes sobre as motos elétricas UM-1 e SM-1 permaneçam vagos, elas parecem ser de aparência robusta, com características de moto trail semelhantes às da versão original, e velocidades máximas de até 100 km/h. Ainda não há nenhuma indicação sobre a data de produção, mas se elas se materializarem, provavelmente funcionarão bem!

Primeiro foi a novidade, agora é a disseminação, mas o caso é que as motos elétricas vieram para ficar!

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!