140 Anos de História: Ascensão e queda do motor dois tempos

By on 28 Fevereiro, 2021

As motos de estrada e offroad com motores dois tempos foram uma força dominante nos anos 70 e 80, mas depois desapareceram. Neste artigo, analisamos algumas das motos chave que fizeram a lenda dos dois tempos…

Em homenagem aos 140 anos dos motores 2 tempos, optámos por escrever este artigo que enfatiza o seu desempenho singular e as suas proezas em motos emblemáticas, um pedaço importante da história do motociclismo que foi uma das primeiras vítimas das restrições de emissões, muito antes do aparecimento das normativas Euro.

O nascimento do motor 2 tempos

Criado pelo engenheiro escocês Dugald Clerk, o produto foi patenteado em 1881. Pouco mais de 15 anos depois, a descoberta chegou ao mundo do motociclismo com o designer britânico Alfred Angas Scott, fundador da Scott Motorcycle Company. Scott registou mais de 50 patentes entre 1897 e 1920 de motores dois tempos destinados a motos.

O motor é chamado de dois tempos porque executa em apenas um movimento de subida e descida do pistão o ciclo completo de admissão, compressão, combustão e escape, formato que faz com que o motor possa produzir mais potência com entrega mais instantânea.

Os motores de ciclo a dois tempos serviram algumas motos lendárias e dominaram as corridas de pista e todo-o-terreno ao longo dos anos 70 e 80. São rápidas, leves e barulhentas, mas têm bandas de força que lançaram discussões intermináveis… Sim, há algo de visceral numa moto de dois tempos. O cheiro a óleo a dois tempos no ar e o som do motor 2T a rasgar uma pista ou uma estrada, despertam memórias nostálgicas aos condutores de uma certa idade que tiveram nas e cerravam os dentes nas FS1 da Yamaha e nas AP50 da Suzuki, antes de avançarem para as 250 a dois tempos.

O belga Roger de Coster, uma lenda do motocross

O segredo do apelo duradouro dos dois tempos reside no próprio desenho do motor. Os dois tempos utilizam portas nas paredes do cilindro para transferir a mistura ar-combustível para a câmara de combustão e os gases de escape para fora. Uma vez que um motor a dois tempos fornece potência a cada rotação da cambota, em vez de duas voltas de cambota como é o caso de um motor quatro tempos, a potência é significativamente mais elevada do que com uma cilindrada semelhante a quatro tempos.

O motor 2 tempos da Honda NSR 500

Do lado negativo, os dois tempos têm vidas úteis curtas, uma reputação de fragilidade e, o pior de tudo, emissões altíssimas. Este último aspeto é especialmente mau porque as portas de escape e de admissão estão abertas ao mesmo tempo; a mistura de combustível bruto pode fluir através e entrar no escape. Consequentemente, as leis de emissões modernas motivaram  a um declínio drástico na utilização das motos com motores dois tempos, e os poucos motores sobreviventes estão agora em motos de competição todo-o-terreno.

A tecnologia moderna significa que existem agora formas de reduzir as emissões a dois tempos, mas poucos fabricantes estão dispostos a investir na Pesquisa e Desenvolvimento (I&D) necessária. Um dos poucos casos raros é a KTM, com um sistema de injecção directa de combustível instalado nos seus dois tempos fora de estrada para proporcionar uma grande potência, baixo consumo de combustível e óleo, arranque fácil a frio e sem necessidade de ajustes de altitude. Mas, a verdade é que poucos outros fabricantes parecem estar preparados para seguir o exemplo.

KTM 250 SX de 2020

Actualmente, a nostalgia e a reconhecida importância e desempenho das principais motos tornam muitos modelos de dois tempos em atraentes opções para colecionadores. E também a procura no mercado de usados a dois tempos tem vindo a aumentar rapidamente ao longo dos últimos anos.

ALGUNS EXEMPLARES ÚNICOS…

Yamaha RD350

Uma moto de culto. A RD350LC original era a melhor moto de corridas e um hooligan de rua durante os meados dos anos 70. Leve, rápida, relativamente fiável e facilmente modificável, a pequena RD podia bater e travar quase tudo até 750cc. Um quadro baseado nas motos de corrida TZ, uma caixa de seis velocidades e 39 cv às 7.500rpm eram inéditas na altura. O nome ‘RD’ ficou mesmo conhecido como uma abreviatura de ‘Morte Rápida’ – talvez injustamente – devido ao número de acidentes.

Agora reconhecida como uma moto clássica, os poucos exemplares que ainda restam e que não foram destruídos são muito procurados no mercado de usados, graças àqueles que querem recuperar a excitação da sua juventude.

Suzuki GT 750

Carinhosamente apelidada de “a chaleira” no Reino Unido, a GT750 de três cilindros foi uma das primeiras grandes motos japonesas com um motor arrefecido por água quando foi lançada em 1971. Os modelos iniciais viram a travagem à frente ser assegurada por travões de tambor de dois cilindros e que foram rapidamente substituídos por discos duplos. Apesar de estar muito à frente do seu tempo, a GT750 foi vítima da regulamentação mais rigorosa dos finais dos anos 70 em matéria de emissões. Afinada para o torque em vez da potência e com uma modesta taxa de compressão, a GT750 foi uma verdadeira Grand Tourer de dois tempos em vez de uma moto hooligan. Os preços por ela subiram muito nos últimos anos.

Kawasaki 500 H1/750 H2

A Kawasaki de três cilindros 500 H1 foi uma revelação quando apareceu logo no final dos anos 60. Uma elevada relação potência/peso, uma banda de potência viciosa a cerca de 5.000 rpm  um manuseamento e travagem geralmente deficientes criaram uma reputação assustadora e deram à Kawasaki uma imagem de ‘bad boy’ da alta perfomance. Ficou rapidamente conhecida como a ‘Víuva Negra’ das motos. Em 1971, oa H2 de 750cc foi introduzida com algumas das questões de manuseamento e banda estreita de potência da H1 melhoradas. Nenhuma outra moto disponível na altura podia sequer aproximar-se do seu desempenho – uma moto normal podia cobrir os 400 metros em 12 segundos – e contribuiu seriamente, por si só, para o declínio da própria indústria britânica de motociclos.

Os preços da H1 no mercado de motos clássicas subiram vertiginosamente, e o mesmo para a H2, que num estado decente e em condições originais pode custar acima das 12.000 libras inglesas, cerca de 13.820 euros.

Suzuki RG500 Gamma

Lançada em 1985, a ‘Gamma’ foi baseada na moto de corridas Suzuki 500 GP, que conquistou a fama de ser famosa por Sheene, Mamola e obteve sete vitórias consecutivas de construtores. O desempenho e manuseamento foram excepcionais para a época, com um desempenho realmente impressionante entre as 7.000 rpm e 12.000 rpm. Com o seu quadro de secção de caixa de alumínio e caixa de velocidades do tipo cassete (extraível), a Gama foi vista como um dos melhores dos últimos desenhos de dois tempos. O seu preco pode variar entre £12.000 e £20.000.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments