A gigafábrica Britishvolt na falência antes de abrir

By on 20 Janeiro, 2023

Projetos megalómanos por vezes dão nisto. A gigafábrica britânica Britishvolt era para ser a resposta europeia ao poder avassalador da China no campo da produção de baterias, mas continuará a ser apenas um projeto ambicioso e nada mais.

Anunciada no início de 2020, a grandiosa  gigafábrica da Britishvolt infelizmente permanecerá apenas um sonho mal esboçado: a empresa, que acabou em administração extraordinária por falta de fundos, renuncia assim ao colossal projeto de quase 4 bilhões de libras. Assim, 232 funcionários vão para casa e a empresa despede-se da produção de baterias.

Ilustrada por dezenas de renderizações publicadas em jornais e sites, a fábrica de 93 hectares deveria ter sido construída em Blyth, cidade de 37 mil habitantes localizada às margens do Mar do Norte, no coração do “Motor Valley” inglês. Uma imensa fábrica de produção de baterias para carros elétricos que, segundo o planeado, deveria se tornar a maior gigafábrica da Europa. Um sonho que se desfaz com a administração extraordinária a que a start-up inglesa tem sido submetida por falta de fundos: porta fechada e 232 funcionários despedidos com efeitos imediatos.

Uma falha que marca não só é um revés especialmente para o governo britânico, considerando que o Britishvolt havia sido apontado desde o início como a pedra angular para o relançamento da economia regional, centrada justamente na produção automóvel. Emblemática foi a declaração do então primeiro-ministro Boris Johnson que, no momento do anúncio, definiu o Britishvolt como “um forte testemunho das qualidades dos trabalhadores qualificados do Nordeste e um testemunho do lugar de liderança que o Reino Unido deseja ocupar na revolução industrial verde .”

Forçada a lidar com a concorrência chinesa, a Europa pareceria de facto destinada, num futuro próximo, a tornar-se um “canteiro de obras” para a construção de inúmeras novas fábricas dedicadas à produção de baterias. Vale a pena mencionar, por exemplo, a de Berlim construída pela Tesla, a da Seat em Barcelona ou a da Stellantis em Termoli. O centro de pesquisa ativo no campo do desenvolvimento de baterias com sede na Espanha CIC energiGUNE publicou a esse respeito um mapa eloquente atualizado para 2021 com as Gigafactories europeias em construção. Além dos mencionados acima, há também o de Italvolt, na antiga fábrica da Olivetti em Ivrea, a da FAAM, em Teverola, e até 12 na Alemanha, incluindo Northvolt, Svolt, ACC e Varta. No total, mais de 30 gigafábricas em construção em toda a Europa… um bom número, mas talvez ainda insuficiente para competir com Pequim, atualmente líder indiscutível na produção de baterias.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments