História: As viagens de ‘Che’ na América do Sul

By on 25 Maio, 2022

Tudo começou como um passeio de moto e terminou como uma revolução! ‘Che’ Guevara o herói de Cuba, o confidente de Castro, o comandante de guerrilheiros e estampa da t-shirt de maior sucesso de sempre, poderia nunca ter sido tudo isso se não tivesse viajado de moto quando jovem.

Antes de entrar em contato com a doutrina comunista, Ernesto ‘Che’ Guevara era apenas um jovem estudante de medicina. Típico dos jovens, o jovem Che também sente o desejo de viajar e descobrir o mundo, e prefere viajar em duas rodas. Em 1950, constrói um pequeno motor para a sua própria bicicleta e parte numa viagem de 2.500 km pelas províncias do norte da Argentina. Essa viagem fortaleceu a decisão de Che de viajar por toda a América do Sul e foi, por assim dizer, o ensaio geral da grande expedição de 1952.

A grande jornada

Há vários anos, Guevara e o seu amigo Alberto Granado conversam sobre uma viagem de moto pela América do Sul. Os dois alunos querem sair do seu ambiente habitual, descobrir o mundo e ver como são as coisas no resto da América Latina. Em janeiro de 1952 chega a hora. Os dois tiram um ano de folga dos seus estudos e começam a planear tudo. O objetivo é chegar a uma colónia de leprosos no Peru, nas margens do rio Amazonas, onde querem ser voluntários por algumas semanas. O veículo é “La Poderosa II”, a antiga Norton Model 18 de 1939 de Granado, com um motor monocilíndrico de 500cc que entrega pouco mais de 20 cv. Malas feitas, partem para Buenos Aires e depois para a província argentina de Miramar.

Do Chile aos Andes na velha Norton

No dia 14 de fevereiro, Guevara e Granado cruzam a fronteira com o Chile. Devido à falta de dinheiro, apresentam-se como especialistas em lepra e um jornal local imediatamente escreve uma história inflamada sobre eles. Este artigo irá ajudá-lo a obter alguns jantares gratuitos e outros favores ao longo do caminho. Na costa do Chile, a dupla não consegue encontrar um barco com destino à Ilha da Páscoa, então seguem para o norte. Cruzam a área de mineração e visitam a mina de cobre Chuquicamata, na época a maior mina a céu aberto do mundo e a mais importante fonte de rendimento do Chile. As condições catastróficas de trabalho e as figuras emaciadas, esquálidas e miseráveis ​​dos mineiros causam uma forte impressão em Guevara.

Do Chile, a viagem continua até aos Andes peruanos. No ar rarefeito e fortemente sobrecarregado, com dois passageiros e muita bagagem, a velha Norton pára. De lá, é à boleia de camiões, a pé, a cavalo e até numa jangada apelidada de “Mambo-Tango” ao longo do rio Amazonas que ambos prosseguem viagem. Granado e Guevara chegam à colónia de leprosos em duas semanas, viajando depois para uma clínica de lepra na Venezuela. Granado acaba por ficar por lá enquanto Guevara viaja para os Estados Unidos. Três semanas depois, e depois de um total de 8 meses na estrada, ‘Che’ regressa à Argentina. O contato próximo com os locais ao longo da jornada muda Guevara para sempre. ‘Che’ quer eliminar as mazelas e desigualdades sociais na América do Sul.

O que acontece depois disso é história. Depois de concluir os seus estudos de medicina, Guevara continuou a viajar e conheceu Fidel Castro no México em 1954. Lá junta-se ao movimento revolucionário cubano e destaca-se na guerra de guerrilhas que se segue. Deve-se notar aqui que nem tudo são rosas sobre Che Guevara. O seu papel e ações na guerra de Cuba não são isentos de controvérsias, e um olhar mais atento também revela alegações de possíveis crimes de guerra e atrocidades. No entanto, sem a viagem dos dois estudantes numa Norton vintage, o revolucionário Che Guevara, provavelmente nunca teria existido!

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments