Ducati: “Moto elétrica? Trabalhamos em outras soluções”

By on 9 Abril, 2021

O chefe de Vendas Globais de Borgo Panigale falou de soluções alternativas para a gestão do consumo e das emissões: “Também estamos a trabalhar com eletricidade, mas ainda é cedo”.

O futuro elétrico da Ducati não virá imediatamente, pois ainda há fortes dúvidas sobre a sua eficácia e a comparação com o combustível sintético para o gerenciamento do consumo e das emissões. Isso foi confirmado por Francesco Milicia, VP Global Sales e After Sales of the Brand, que falou com a revista inglesa MCN.

ELÉTRICO AINDA NÃO

Declarações de intenção são importantes: “Em Itália o mercado mudou ligeiramente, temos muita concorrência no preço. Mas não queremos entrar em briga com os produtores económicos. Temos que proteger a nossa marca. Atrair clientes mais jovens é importante. É também por isso que estamos a trabalhar em energia elétrica, e também fazemos parte de um grupo que está se movendo rapidamente em direção à eletrificação. Esta é uma boa oportunidade para a Ducati, mas não vamos produzir uma moto elétrica tão cedo.”

COMBUSTÍVEL SINTÉTICO

O foco está na identidade da marca Ducati, nome que se foca no prazer de condução, na essência das duas rodas e na experiência de velocidade mais do que na mobilidade diária: “Achamos que para o tipo de modelos que produzimos agora, uma moto elétrica não pode garantir o prazer, autonomia, dirigibilidade que os clientes da Ducati esperam. Como resultado, também estamos a examinar cuidadosamente outras soluções para menores emissões, como o combustível sintético. Outras marcas do nosso grupo, como a Porsche, estão a pensar nisso, e é algo que estamos a olhar a médio prazo.”

Um comentário também sobre o próprio ano de 2020 que a Ducatitambém teve que enfrentar: “No início pensamos que talvez a pandemia afetasse apenas alguns países, mas em março de 2020 pudemos ver o quão sério era. Em Itália tivemos a maior taxa de mortalidade nessa primeira onda, especialmente no norte. Lembro-me de uma reunião de sexta-feira à tarde onde foi dito que a fábrica estaria fechada na segunda-feira seguinte de manhã, com todos os carregamentos bloqueados num momento em que estávamo-nos a preparar para distribuir a Streetfighter. A nossa primeira estimativa foi baseada numa perda de 30% das nossas vendas para o ano, mas ficamos positivamente impressionados com a recuperação. E a Streetfighter acabou por vender mais no segundo ano do que no primeiro.”

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x