Estudo confirma que motores são mais poluentes a 30 km/h

By on 1 Setembro, 2021

A pedido da Direção-Geral das Infra-Estruturas, Transportes e Mar (DGITM) de França, o Cerema actualizou a sua metodologia de avaliação dos factores de emissão de poluentes do tráfego circulante em função da velocidade e dos tipos de veículos. Os resultados são surpreendentes, e contrariam em absoluto a Lei dos 30 km/h aplicada em Paris.

Fonte: Cerema

Este estudo de impacto ambiental, enfoca os fatores que impactam as taxas de emissão de poluentes atmosféricos e gases de efeito estufa (GES), destaca uma forte correlação entre a velocidade e o nível de poluição, além do tipo de veículo, o seu motor e idade. 

Níveis de emissões mais elevados a menos de 30 km/h!

O documento apresenta as curvas de emissão dos vários poluentes para os três tipos de veículos (veículos pesados ​​de mercadorias, veículos comerciais ligeiros e veículos ligeiros (automóveis ligeiros e motociclos), bem como as principais lições a tirar. O relatório mostra, portanto, sem qualquer disputa possível, que as emissões de NOx, PM10 e GEE diminuem à medida que a velocidade média aumenta, antes de aumentar novamente de forma muito gradual.

Com base na modelagem das emissões de poluentes atmosféricos emitidos por um veículo em função de sua velocidade, o Cerema atualizou os elementos relativos às emissões de dióxido de nitrogénio (NOx), partículas finas (PM10) e CO 2 e (CO 2 equivalente aos gases de efeito de estufa: CO 2 , CH4 e N²O), com base na metodologia europeia Copert versão 5 e a frota de veículos prospectiva atualizada até 2050.

Gráfico de emissões de CO2, emitidas por um veículo particular em função da velocidade

As emissões de poluentes são representadas em função da velocidade média do veículo, pois isso influencia significativamente sua variação. Assim, para um veículo particular, as emissões de NOx, PM 10 e GES são mínimas para velocidades próximas a 70 km / h. A curva característica em forma de U das emissões em função da velocidade também mostra que em 2020, as emissões máximas, iguais a duas vezes o valor mínimo, estão localizadas em 130 km / h, e que as emissões em baixas velocidades (10 a 20 km / h) são mais ou menos equivalentes aos produzidos em alta velocidade (100 a 110 km / h) .

Para veículos leves, o nível mínimo de poluição é, portanto, próximo dos 70 km/h, e a essa velocidade é quase a metade das emissões do que quando o veículo se desloca a 10 km/h. No entanto, as emissões são quase idênticas para um veículo viajando a 30 km / h e outro viajando a 130 km / h (aproximadamente 33% acima de 70 km / h).

Se o relatório insiste no facto de que estas variações serão reduzidas ao longo dos anos com a modernização da frota e a multiplicação de veículos menos poluentes , conclui também que as situações de congestionamento são particularmente penalizantes em termos de poluição, porque as emissões são muito superiores para todos os veículos até 30 km / h. Estes resultados do Cerema, contrariam em absoluto a teoria dos 30 km/h defendida pelos autarcas de Paris.

Lembramos que a capital francesa acaba de generalizar o limite de velocidade para 30 km / h nas suas ruas e avenidas, e agora os oponentes da medida apressam-se em citar este  relatório para denunciar a ‘aberração ecológica’ que está a ser cometida. 

O Cerema explica, de facto, que o seu relatório não permite avaliar as políticas públicas de mobilidade , como a levada a cabo por Paris , em primeiro lugar porque a sua metodologia assenta em várias fases de conduta que combinam todas as situações encontradas e apresentam resultados em função das velocidades médias, não da máxima.

O Cerema também aponta que é mais aceleração do que a velocidade que afeta a poluição e, portanto, que o tráfego congestionado será mais emissivo do que o tráfego fluido. Como todos sabemos, as fases de aceleração e travagem são múltiplas e inevitáveis ​​na cidade, a 30 e 50 km / h. Por estes motivos, o relatório não confirma que o nível de poluição a 30 km / h na cidade seja superior ao de um limite a 50 km / h.

A conclusão de tudo isto é que primeiro foi aplicada a lei e só depois foi encomendado o estudo de impacto ambiental!

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments