História da Marzocchi – A era moderna

By on 21 Fevereiro, 2019

Vimos na primeira parte deste artigo como, começando nas motos, os irmãos Marzocchi estenderam a sua produção à competição automóvel e posteriormente, já nos anos 80, começaram a capitalizar no novo mercado de bicicletas de TT. A sua Star Fork para BTT foi projetada em 1989, e a produção em massa começou em 1990. O primeiro garfo de produção, Star Fork, foi seguido pelos vários modelos XC, que em 1996 foram substituídos pelos modelos Bomber – com novos materiais, função e design.

A constante melhoria destes modelos levou a muitas conquistas, entre as quais a Taça do Mundo de Downhill vencida por Corrado Herin em 1997, que usava na sua BTT uma Monster T, com tubos de 40 mm de de diâmetro em alumínio Em 1991, mais uma vez explorando a experiência de fazer grandes suspensões de motos, a Marzocchi começou a ampliar a sua gama de produtos.

Perante a expansão do segmento de mercado de scooters, começaram a fabricar garfos para empresas mundialmente famosas, como a Aprilia, BMW, Beta, MBK e Peugeot. No início dos anos 90, um novo modelo de garfo, o Magnum, foi concluído para motos de TT. O Magnum foi usado por muitos pilotos e obteve muitas vitórias no Campeonato Mundial de ambas as categorias, MotoCross e Enduro, através do sucesso de Hansson na Honda (Campeão Mundial de 500cc em 1994) e Giovanni Sala, Campeão Mundial de Enduro na KTM 250 em 1994 e 1995.

1998 testemunhou o nascimento do garfo invertido Shiver Upside-Down, que imediatamente ganhou o Campeonato Mundial de MX com Chicco Chiodi em Husqvarna.Seguiu-se o Campeonato Mundial de Enduro, também na Husqvarna, com Erikkson, em 1998 e 1999. Nos anos seguintes, cada vez mais fabricantes decidiram equipar as suas motos com garfos Marzocchi: Aprilia, Ducati, Moto Guzzi, BMW, Cagiva, MV Agusta, Husqvarna, Beta, KTM, Honda, Derbi, Gas-Gas, MuZ, Sachs, bem como as Victory e Excelsior Henderson, novas marcas americanas que se especializavam em Cruisers tipo custom.

Porém o problema da Marzocchi foi o mesmo das marcas de motos italianas, com a exceção da Piaggio: era grande demais para sobreviver em pequenos volumes, com produção em estilo artesanal, e no entanto pequena demais para competir com os seus concorrentes reais da indústria em tamanho e capacidade de produção. A criação de modelos muito bons, como os garfos de motocross Shiver de 53mm e RAC50 todos em alumínio parecia promissora, mas nada substancial se materializou em termos de orçamentos.

Assim, em 2008, a família Marzocchi decidiu concentrar-se no seu outro ramo de atividade – bombas de óleo – e vender o negócio de suspensão à Tenneco, líder mundial em componentes automotivos. A integração de Marzocchi numa empresa tão grande, com enorme potencial tecnológico, parecia ser uma oportunidade perfeita para a Marzocchi retornar a uma posição de liderança no mercado mundial. Mas, na realidade, houve apenas alguns flashes positivos, não uma subida à proeminência.

Um desses sem dúvida, foi o advento da Suspensão Eletrónica. O sistema de suspensão semi-ativa criado desde então pela Marzocchi adapta automaticamente a estabilidade da moto de acordo com o estilo de pilotagem, as condições dinâmicas do veículo e a superfície da estrada. O sistema foi desenvolvido aproveitando a ampla experiência em controle de direção da Tenneco como uma das primeiras empresas a lançar sistemas de suspensão semi-ativos para carros de turismo.

Uma válvula eletrónica modifica o fluxo de óleo instantaneamente nos garfos e amortecedores da motocicleta, para ajudar a garantir a melhor resposta de suspensão para estabilidade ideal na maioria das condições de pilotagem. O resultado é um dos sistemas de suspensão semi-ativa mais completos do mercado atualmente, e a solução ideal para motos de corrida de alto desempenho, motos todo terreno e motos de estrada de alto desempenho.

O garfo, uma unidade invertida de 50 mm, ajuda a garantir uma sensação perfeita na frente da moto. A válvula eletrónica modifica automaticamente as características hidráulicas durante a compressão e o retorno, com tempos de resposta de apenas 10 milissegundos.

A válvula atua sob os impulsos recebidos de uma unidade de controlo eletrónico (ECU) dedicada, que usa dados recebidos dos potenciómetros e dos acelerómetros miniaturizados colocados no garfo para definir os parâmetros ideais de estabilidade. O sistema inclui a unidade de controlo com sensores especiais e o software de controlo. Além disso, ambas as bainhas do garfo possuem ainda um sistema manual que permite variar a pré-carga da mola.

O sistema semi-ativo pode ser montado em garfos invertidos de 50 mm, 48 mm, 45 mm, 43 mm, 40 mm e em garfos tradicionais com diâmetros de 40 mm, 41 mm e 45 mm. Como é o caso com todos os produtos Marzocchi, o garfo pode ser totalmente personalizado de acordo com as necessidades dos clientes.

O piloto de testes profissional Alessio Aldrovandi, que testou o sistema Marzocchi, disse: “É extraordinário em termos de conforto e segurança. A pilotagem em estrada é muito agradável, pois o sistema permite fazer coisas que os sistemas convencionais de suspensão não fazem, e de forma mais segura. Em pista, o sistema funciona muito bem, melhorando significativamente os tempos por volta e fazendo a moto ainda mais agradável, fácil de pilotar e muito rápida. ”

Atrás, o amortecedor monotubo com um pistão de 36 mm ou 46 mm gere a estabilidade do veículo em todas as condições de condução sem intervenção do condutor. A válvula eletrónica trabalha paralelamente ao pistão e é controlada pela ECU segundo os impulsos recebidos dos sensores montados na motocicleta. Esses sensores reconhecem as condições do solo e permitem que o amortecedor responda com o nível apropriado de amortecimento hidráulico em milissegundos.

Para o piloto, isso significa conforto, prazer e segurança ideais. Além do sistema semi-ativo, o amortecedor monotubo pode ser fornecido com um sistema manual ou hidráulico para alterar a pré-carga da mola.

Os componentes eletrónicos e a ECU são facilmente instalados sob o assento e podem ser conectados a todas as outras unidades de controlo da moto usando linguagem CAN-BUS. A adição do software E-Click permite ao piloto explorar completamente o sistema hidráulico, personalizando o amortecimento para melhorar o conforto e o desempenho. Um aplicativo está disponível para controlar o sistema através de smartphones ou tablets.

Assim, apesar de já não pertencer aos seus criadores originais, a Marzocchi continua na vanguarda das suspensões…

 

 

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments