Restauro Ducati Mike Hailwood Replica

By on 2 Março, 2019

Há puristas que se atrapalham só de pensar em mudar até mesmo um parafuso numa motocicleta clássica – e outros, nem tanto. Quando se passa os dias a cuidar das melhores motos personalizadas do mundo, pode-se começar a apreciar um conjunto de modificações de bom gosto até nas máquinas mais sagradas.

Mas há algumas motos que nem todos ousariam alterar. É uma lista curta, mas dentro dela, a Ducati 900 MHR está perto do topo.

Para quem não é um Ducatista, ou um fã de corridas clássicas, permita-nos esclarece-lo. Em 1978, Mike Hailwood encenou um lendário retorno à Ilha de Man, vencendo a classe de Fórmula 1 TT a bordo de uma Ducati 900 SuperSport preparada pela NCR italiana e pelo mago Steve Wynne. No ano seguinte, a Ducati 900 MHR (Mike Hailwood Replica) de produção nasceu.

Internamente, era essencialmente um 900 SS. Mas foi estilizada como a moto de corrida de Hailwood e recebeu alguns aprimoramentos notáveis ​​como travões Brembo e os silenciadores Conti. Em 1984, o modelo evoluiu, com um novo motor de 973 cc que já produzia 76 cavalos de potência, graças a maior diâmetro, válvulas maiores e uma cambota redesenhada.

Agora chamada MHR Mille, a moto também apresentava arranque elétrico, um painel de instrumentos redesenhado, poisa-pés retratáveis ​​com inserções de borracha, avanços Verlicchi ajustáveis ​​e uma embraiagem acionada hidraulicamente. Cerca de 7.000 Mike Hailwood Replicas foram produzidas até 1985, mas apenas 1.100 delas eram Milles. Ah, e elas foram os últimos bicilíndricos com comando de válvulas cónico que a Ducati produziu.

Então, quem tivesse a sorte de encontrar uma, mudaria alguma coisa? Certamente, o pessoal da Revival Cycles não. A loja de Austin, no Texas, é conhecida por levar a fundo os seus projetos, e ao longo dos anos vimos alguns trabalhos personalizados muito completos vindos deles. Mas quando um cliente chegou com uma Mike Hailwood Replica, recentemente adquirida, eles sabiam o que tinha que ser feito – e também o que não fazer.

“Esta máquina estava na mesma casa há muitos anos, mas o dono parecia ter perdido o amor por ela”, disseram eles. “A pintura estava estragada, com tinta rachada e lascada, suspensão desgastada, um descanso incrivelmente instável, problemas elétricos e carburadores que nunca foram sincronizados corretamente. Tirava todo o prazer do que costumava ser uma máquina incrível.” Esta pobre MHR precisava de uma ‘Revival’ da mais alta ordem.

Com muitos quilómetros no relógio, certamente feitos a andar bem, a  moto stava desgastada demais para se safar só com manutenção básica, por isso uma restauração completa estava em ordem. Assim, a Revival desmontou a moto até o quadro ficar a nu, plastificou-o, e pelo caminho substituiu todos os retentores e rolamentos.

Também reconstruíram os garfos Marzocchi da Ducati, mas optaram por abandonar os amortecedores traseiros desgastados por um novo conjunto da Progressive Suspension. As lindas rodas foram restauradas de volta ao seu brilho original de ouro, e cada peça brilhante foi recromada para ficar melhor que nova.

O rejuvenescimento naturalmente abarcou o motor também, dando-lhe uma boa renovação antes de o selar novamente com novas juntas e vedações. Depois, concentraram-se em resolver os vários problemas elétricos da antiga 900.

Sem deixar nade por rever, os homens da Revival marcaram o cockpit para uma atualização séria também. Aqui, fizeram algumas mudanças: juntamente com os novos amortecedores traseiros, eles adicionaram tubos de travão e embraiagem feitos sob medida, um descanso lateral personalizado e reforçaram o central. Eles também instalaram um par de filtros K & N, revendo a afinação dos carburadores de acordo.

Mas nada se compara ao amor e suor derramados na carroçaria da Ducati Replica. Anos de abuso e reparos de má qualidade da fibra de vidro tinham deixado a sua marca – e os painéis laterais do mercado de peças de uma Mike Hailwood Replica, não estão exatamente em abundante oferta.

Incontáveis ​​horas de trabalho nas peças, a MHR estava finalmente pronta para receber a sua pintura original, num acabamento melhor que o de fábrica. A Revival levou o seu tempo, colocando perfeitamente os decalques originais no sítio e adicionando camada após camada de verniz por cima, para um efeito profundo e rico.

“Isso e o rugido do poderoso motor a cuspir fogo novamente, fizeram um Ducatista muito feliz!“, dizem os homens da Revival.

Depois de ver essas fotos, acreditamos neles. Como se costuma dizer, “uma imagem vale mais que mil palavras”

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!